Buscar no site

17/mar/2018

OLÁ JEQUIBÁ

Autor(a): Jason Jair Frutuoso

26/abr/2012

Olá, Jequitibá

Autor(a): Jason Jair Frutuoso

Dou-lhe cem anos de vida,
pelo tamanho que você tem.
Dou-lhe o título de rei da mata,
pelo poder que sua imponência
me faz crer.

Meu querido jequitibá,
tire logo a minha dúvida!
Diga quantos anos tem!
Fale-me de meu bisavô!

Você ainda se lembra de meu canário chapinha?
E do bando de andorinha?
E dá cantiga da passarada?
E do sabiá que cantava em seus galhos?

Por causa de seu porte gigantesco,
nem mesmo o menino travesso
conseguia lhe escalar.
O gavião que reinava no sitio da vovó
fez de seus galhos um mirante.
Pobres passarinhos pequenos!

O gavião mirou por anos a fio
em sua grimpa, para caçar
o alimento para seus filhos que cresciam,
querendo sua espécie perpetuar.

Em seus pés meu avô, certo dia, adormeceu,
contando histórias sobre a
vida de um jequitibá e
adormecera para sonhar em
perpetuar a própria vida.
Ele queria eternamente te admirar!

Os braços do meu avô,
nunca conseguiram lhe abraçar;
talvez nem os mesmo os de meu bisavô.
Acho mesmo que você é milenar.

Que Deus lhe dê vida eterna,
para meus netos, meus bisnetos,
meus tataranetos... poderem esboçar o
prazer de lhe ver e com você entreter.

Ó meu querido jequitibá!
Um Sabiá que cantava aqui na cidade,
lembrou-me da capoeirinha
que tem nos fundos da casa grande;

Ele cantava alegremente,
no pé de abacate da rua da frente.
Parecia que cantava. Acho que cantava sim.
Salvo, se aquilo não era choro.

Era um sabiá fujão,
era um sabiá despejado da mata.
Parece que onde morava ainda é mata, sim.
Salvo, se não virou cinza,
aquilo que antes era uma mata.

Ele cantava muito bonito,
no topo do pé de abacate da rua em frente.
Salvo, se aquilo não era choro com o tom de um canto,
pelo seu habitat queimado, acabado, para sempre!

O canto do sabiá era lindo demais,
parecia com um que cantava na
fazenda do vovô.
Lá tem uma matinha bonita,
salvo se lá ainda não virou pasto para gado.
Ele mora na cidade,
salvo, se é não é apenas um sabiá de rua.

Um bichinho que vive alegre,
como alguns meninos de rua que conheço,
que insistem em viver,
cantar e sonhar Apesar dos pesares.

 

 

 
Design: Fábrica de Criação   |   concrete5 - open source CMS © 2018 Jason Jair Frutuoso.    Todos direitos reservados.