Buscar no site

22/nov/2014

FIM DE ANO DOS HEMOFÍLICOS

Autor(a): Jason Frutuoso

Hoje fui à festa de final de anos da família hemofílica de Brasília. Tem coisa que sempre nos leva a bons caminhos; uma delas é ter conhecido e admirado boa parte de minha vida, minha amiga Terezinha. Graças à Terezinha, me inspirei e escrevi o livro “A História de Marcela”, também foi por causa dela que conheci pessoas tão espetaculares como são os hemofílicos de Brasília.

Uma coisa leva à outra: conhecendo a família hemofílica de Brasília, conheci também Doutora Jussara e sua equipe, e posso afirmar que ela e o grupo de hemofílicos daqui formam um dos casamentos mais perfeitos da história dos Serviços públicos de Saúde. Você pode até pensar que estou exagerando, porque não é comum um elogio tão contundente quando o assunto é serviço de saúde, mas tenha a certeza: quando o profissional é competente cheio de melhorar as coisas do mundo, ele acaba fazendo a diferença.

A diferença está no sorriso aberto dos pacientes e, por que não dizer, na prática de esportes por estes pacientes como o bom jogo de futebol que hoje assisti entre os jovens hemofílicos e um time visitante.

Quando falo de jogo de futebol de hemofílicos, quase sempre alguém duvida; até mesmo alguns médicos, como um a quem falei sobre a prática de esportes destes dos pacientes de Dra. Jussara: “Você está brincando, Jason, como pode hemofílico jogar bola? Por favor!"

A soma da capacidade de liderança do proficissional de saúde com a certeza do paciente de estar sendo visto como um ser biopsicossocial resulta no que vemos por aqui: Muitos pacientes sem nenhuma sequela da hemofilia. Mesmo os já sequelados passam a ter melhor qualidade de vida.

 
Design: Fábrica de Criação   |   concrete5 - open source CMS © 2017 Jason Jair Frutuoso.    Todos direitos reservados.